• Senryu

Gundam Age e Gundam Age: Memory of Eden

Publicado no Makai Knight em 30/09/12

#gundam #GundamAge #sunrise #anime #filme #Level5 #GundamAgeMemoryofEden #brasilanimecafe

Este é uma análise que devido à natureza única da série de TV e do filme de "resumo", me levaram a dar uma boa modificada nesse review é também me levou a modificar várias coisas pra ser quase como uma reconstrução (ainda vou analisar arco a arco e também o filme em separado por causa da natureza única de cada um, mas vou em cada deixar os pontos negativos e positivos, adicionando algumas coisas e vou fazer uma conclusão um pouco diferente e bem longa mas também junto com algumas recomendações de como ver).


Gundam Age foi uma série que nasceu de uma natureza bem diferente das outras, ela foi uma ideia original levada à Sunrise pela Level-5 (famosa por ter criado Inazuma Eleven (o game é a série de TV, conhecida no Brasil como Os Super Onze; os games chegaram a ser lançados no Ocidente pra DS, 3DS e Switch é a série chegou a passar na RedeTv e atualmente passa na Bandeirantes), que foi basicamente a entrega de uma proposta para um jogo de RPG, baseado num universo original pensado em base tendo Gundam em mente.


A resposta da Sunrise? Foi que a proposta era boa demais só pra ser usada em um game e ela resolveu investir profundamente nesse conto, fazendo "um conto" que se passa durante 100 anos de guerra (ela investiu tanto no jogo, que aliás tem pequenas adições na história, mas a história é praticamente mesma da série de TV e saiu em duas versões pro PSP; Universe Accel e Cosmic Drive; que foram lançados quando a série estava no terceiro arco); esta ideia foi declaradamente feita com objetivo de focar no público infantil, mas em minha opinião ela foi feita pra atingir um público mais amplo e geral, muito pelo tom diferente de cada arco.


Mas o que acho que justifica esta separação pra esta critica são dois fatores, um deles seria como a série foi lançada em home vídeo (foi lançada em dois volumes contendo no volume 1 os episódios de 1 à 28, que contém os arcos do Flit e do Asemu, no volume 2 contém os episódios de 29 ao 49 que contém os arcos do Kio e fim da guerra de 100 anos; só notem que normalmente a série em home vídeo e dividida no meio, mas notem que em Age eles dividem exatamente nos fins de arco pra facilitar a decisão do consumidor, o que é uma sábia decisão nesse caso) é o outro fator seria que mesmo tendo um único diretor Susumo Yamaguchi, ele fez cada arco de maneira única e diferente e fica como se a série tivesse três pontos de partida totalmente diferentes, e que essas três histórias se juntam num grande final; por isso acho bem justo avaliar dessa maneira (além disso na época que fiz esse review, eu coloquei em votação e só duas pessoas votaram e na mesma opção...ou seja fazer pelos arcos, então? Hei! Viva a democracia! E mais trabalho para mim...).


A ordem de leitura está boa é só procurar pelos títulos dos arcos e do filme pra lhe facilitar a leitura, os arcos estão em ordem cronológica e o filme logo após eles! Então é só procurar: Arco do Flit, Arco do Asemu e Arco do Kio pra série de TV é Gundam Age Memory of Eden.

Arco do Flit

 Foi bom


  • Bom o primeiro arco foi uma versão infantil e resumida do Gundam 0079 (a série original de Gundam) mas não ao pé da letra; muito mais por lembrar do fator de o lado do "herói" lutar com as piores máquinas até o Gundam marcar a "mudança da maré" e ainda tem outras coisas que reforçam isso com o capitão da nave forte e conselheiro do protagonista, a heroína que morre para salvar o herói (lembra em parte pois no 0079 lá foi um acidente e em Age a heroína se sacrifica pra salvar o "herói") e até a batalha final acaba lembrando um pouco a batalha final do Gundam original, por um lado isso foi uma bonita homenagem, mas por outro fez bater uma sensação que to vendo a mesma coisa de novo!? (além do fato do Age-1 ser mais uma releitura do RX 78-2).

  • A abertura com a banda Galileu Galilei passa muito bem o clima dessa fase é fabulosa!

  • Nos designs de mechas fica o destaque positivo fica para versão ninja do Age-1(Age-1 Spallow) que foi uma boa união entre o estilo antigo de design (muito influenciado pelo Hajime Katoki, designer da maioria das séries U.C da franquia)é o estilo de mecha magro e esguio que nasceu na franquia com Gundam 00.

  • Nos personagens se destacaram bem Woolf como um bom amigo, mentor e rival do Flit, além do capitão Grodek (que entra na antologia dos grandes capitães da franquia, apesar de toda a grande pressa do arco, ele foi o personagem melhor desenvolvido do arco, diria mais até que o protagonista Flit que tem seu desenvolvimento melhorado com o passar dos arcos) como um capitão bem diferente que se destacou na sua busca por vingança e teve um fim triste (mas realista pelas suas atitudes) e Yurin (que apesar do desenvolvimento corrido acabou sendo no fim das contas um dos motores emocionais do Flit por toda a série...).

  • A ideia do Age-Builder é muito boa e é uma maneira fácil de fazer surgir novas armas e de facilitar o surgimento de novas partes para deixar o Gundam mais versátil, além de ser uma explicação bem fácil para os avanços tecnológicos.


Foi mediano


  • Algumas coisas foram difíceis de engolir no roteiro como Flit sendo criador e desenhista do Age-1 e do Age-builder tendo somente ajuda do Vargas, mas como é uma série voltada para as "crianças"? OK! releva-se.

  • Desil, meu deus já vimos muito em anime o personagem vilão psicopata e com comportamento infantil (mas sempre esse tipo tinha um corpo de "adulto" ou adolescente), mas ver este comportamento vindo de uma criança!? Foi mesmo assustador, mas também vamos quebrar o galho quanto à "esta" criança ter uns cinco anos e estar pilotando um mecha além do o seu comportamento...

  • O protagonista deste arco (Flit) é um personagem que começa insuportável (muito por causa de quantas vezes vimos na franquia o garoto cuja família foi destruída pela guerra? Ou que tem problemas na família e por um acidente do destino acaba ficando responsável por um Gundam? Isso parece as vezes ser um pré-requisito para ser piloto de Gundam na franquia...), mas compensa pelo crescimento à medida que o arco avança e ele "matura" conforme os fatos que enfrenta e fica mais simpático no fim do arco.

  • Quanto a legenda poucos grupos brasileiros se interessaram, mas o PA fez numa ótima qualidade de legenda (mas se encontra para hoje em 30/09/12 como um projeto parado no episódio 18, como o arco do Flit foi 15 episódios dá para ver ele todo com uma boa legenda), o fansub Punch legendou a série em sua totalidade, mas com sua qualidade costumeira (traduzindo dá apara assistir e não se tem grandes erros, mas você sabe nê speed sub, deixa umas coisas escaparem...).

  • A transmissão do episódio da semana pelo Youtube (deixavam disponível por 3 semanas os episódios, no Youtube da Àsia do Gundam, hoje extinto) foi uma boa maneira de testar o mercado, mas com um porém infeliz liberado somente na Ásia e Oceania (para mim perderam uma chance de testar o mercado ocidental), o resto do ocidente tinha bloqueio de IP.

  • Hoje em dia se tem opção várias opções de se adquirir a série é o filme em home vídeo, mas por stream no ocidente!? Não se tem opções e nem alternativa legal de se ver a série online.


Foi ruim


  • Tivemos o bom exemplo do Spallow mas também temos um mau exemplo de design que é o Age-1 Titus (O problema é que tentaram unir o visual de super robot antigo com um design moderno! O resultado? É algo que fica bonito para um kit de Gunpla infantil! Mas feio pra caramba em tela).

  • Os personagens secundários foram muito mal desenvolvidos mas um deles merece um destaque especial neste quesito que é a Emily (pela divulgação já tínhamos pistas que ela seria a futura senhora Flit Asuno), mas o que fizeram de desenvolvimento de personagem??? Só choro de angustia pelo Flit; só uma "nota" no jogo tentaram compensar a falta de presença e química entre eles com um capítulo extra no jogo; que aliás não existe na série é isso melhora um pouco a relação deles, mas não em muito.

  • Que o arco seria curto já se imaginava (afinal três gerações em quarenta e nove episódios), mas o grande problema aqui foi como o roteiro se desenvolveu, nós tivemos um inicio muito devagar, tá bom que tinha que nos introduzir a este mundo, mas o real problema foi quando o arco precisava ser dinâmico? E ele não foi (praticamente foi um passeio colonia a colonia mostrando os problemas de cada "lugar") e quando chegou na grande invasão! A trama "acaba do nada!" (justo no ponto em que tudo fica muito interessante numa virada mostrando sobre a real "origens" dos Vagans.

  • É a visão de uma criança sobre o começo de um conflito em especial de uma criança que teve sua "inocência" roubada e se foca em ser um "vingador", até aí, tirando o fator "associação de pais irão ficar revoltadas"? É uma boa ideia! É como ela anda é bem agradável E boa, atá vir a Yurin e com isso o Flit se apaixonar (e até funciona maravilhosamente em tela) mas...no fim ao invés de mesmo com a tragédia que ocorre isso servir pra como vou dizer mostrar que as coisas não são tão preto no branco, só serviu como jogar jogar um galão de gasolina pra apagar uma fogueira! Sério o quanto por quase toda à série isso serviu pra aumentar o ódio do Flit foi muito artificial pra mim.

Arco do Asemu

 Foi bom


  • É tão bom quando temos um protagonista "original" e Asemu é um personagem bem diferente dos demais personagens principais da franquia, pois para começo de conversa não vem de uma família destruída (os pais estão vivos, tem uma família estruturada e até uma irmã), ele não tem "poderes mágicos" que o destaquem do resto dos pilotos (nada de ser X-round, que é a referência newtype da vez), é só um garoto normal que entra no exército querendo proteger a todos e ainda lidando com o "fardo" da lenda que seu pai se tornou e através dos acontecimentos do arco ele vai amadurecendo tanto como pessoa como quanto piloto.

  • A trilha sonora dessa fase é a melhor da série disparada tanto a abertura quanto o encerramento com SpyAir são fabulosos.

  • É o ponto da série que pode agradar bem adolescentes e adultos muito por como conduzem o arco, temos um jovem encontrando o seu caminho na vida e tentando sair da sombra do seu pai, isso é um ponto que muitas pessoas podem se identificar e aqui é muito bem conduzido isso, principalmente na "reposta" do Asemu pra atingir o seu caminho próprio.

  • Zeheart (a referência ao Char da vez; Quer uma lista que justifica isso!? "Adorar" mechas vermelhos? Checado! Usar mascara? Checado! E ainda por cima tem uma justificativa boa no roteiro), ele começou como um espião que começou a ter duvidas da missão por viver no meio do inimigo (e das amizades que fez na missão em especial com o Asemu), virou um comandante que se importava com seu povo e seus subordinados e que não seguia as ordens ao pé da letra é isso o tornou num destaque dessa série bem fácil.

  • Woolf mais uma vez se destacou como mentor dos pilotos mais jovens e em especial do Asemu, dando grandes lições de vida e de pilotagem.

  • As melhores é as mais empolgantes sequências de ação estão neste arco!!!

  • O Asemu "super piloto" foi uma sacada inteligente (pois a solução fácil de um roteirista na maior parte da franquia é dar um "poder" ao protagonista para explicar à superioridade de suas habilidades de pilotagem frente aos demais, mas neste arco o piloto se destaca dos outros pela mais pura e simples raça e habilidades de pilotar).

  • Começam a acontecer com mais frequência os combates em larga escala é o uso de estratégias militares fica bem visível em combate, o que é um bom ponto positivo.

  • O roteiro finalmente começa a ficar ágil e bem encaixado (mesmo o pequeno arco escolar que alguns não gostam, pra mim serviu pra mostrar a "vida comum" de Asemu, Rosemary e Zeheart; aliás vale a curiosidade que no jogo esta parte escolar é bem mais longa) e ainda por cima tem algumas boas sacadas (como por exemplo que jovem, não ficaria feliz ao receber as chaves do carro dos pais? Só nesse caso avançaram e levaram o conceito ao Gundam é bem aceitável o "começo" da jornada).

  • O mecha design aqui fica muito bom (aqui temos o moderno por cima do tradicional, com o Age-2 normal é o Age-2 Double Bullet).

  • Os visuais do Vagans aqui ficaram mais e mais animalescos e isso os torna em mechas mais únicos no universo de toda a franquia e a maioria bem bonita de se ver em tela.

  • Flit cresceu e virou um comandante bad ass em sua cruzada contra os Vagans (o nome "real" dos U.E que com a surpresa revelada, a série ainda consegue conduzir de uma maneira única e diferente o conflito).


Foi mediano 


  • Mais uma vez o elenco de apoio pouco se destaca e só tem alguns pequenos brilhos como Arisa (que de inicio parecia que seria uma rival da Rosemary, mas isso é um elemento que se perdeu no desenvolvimento corrido do arco), além de Remi e Obright (que mais serviu por mostrar o dia a dia da nave), mesmo a capitã Miliais tem pouco brilho em tela por ficar a maior parte do tempo sob comando do Flit.

  • Desil cresceu e virou um psicótico que não distingue amigos de inimigos (depois da humilhação sofrida no arco anterior) e com isso desenvolver o que sobre ele!? (sério a única coisa que ficou no ar era a relação de irmão dele e do Zeheart...mas do jeito que ficou? Acho que não ajudaria em nada aprofundar esse tema como uma certa produção provou...).


Foi ruim


  • Tentaram mostrar como se comporta uma unidade de elite com os Magicians 8, mas pela pressa da pressa da produção!? Acabaram só servindo de alvo de "elite" para o pessoal da Diva e de bucha de canhão para o Desil e Zeheart), 

  • O maior problema da série Age é o tratamento das mulheres em geral, aqui Rosemary foi muito mal desenvolvida (e olha que ela não foi a pior, mas a que de longe tinha mais potencial!) algo que começava como um inocente triângulo amoroso, vira? Um imenso nada! Pois basicamente ela mal aparecia e quando aparecia era só para suspirar sobre a situação hora sobre o ponto do Asemu e hora sobre o ponto do Zeheart (momento de desabafo! Em Age basicamente mulher só serviu para duas coisas em geral: para fins de reprodução de personagens ou para morrer sendo bucha de canhão...e isto é um mal que muitas das séries da franquia após Turn A tem; foi assim mais ou menos assim na franquia Seed o mais próximo de salvação lá são Luna Maria e Lacus...pra você verem o ponto...), em 00 foi mal mas ao menos não forçaram um romance onde não dava (eu vi isso com Setsuna e Maria Ismail e graças à deus não forçaram isso!) é aqui em Age? Foi um absurdo e isso piora comparando em vários sentidos comparados com a U.C onde Tomino mostrou a força das mulheres numa época em que isso era ir contra a maré, coisa que hoje em dia é algo que cresce mais e mais em outras séries, e só me leva a uma pergunta, gostaria de saber quando à Bandai acorda!?; desculpa Bandai mas tá chegando a hora de terem uma série Gundam com uma protagonista mulher (mas nada de "fingir" como em Twilight Axis), ou ter novamente dois protagonistas (como foi em Seed; só que sendo um homem e uma mulher para fazer algo diferente? Quem sabe começar a pensar fora da caixa).


Arco do Kio é o arco do fim da guerra de 100 anos.

Foi bom

  • Para mim o roteiro deste arco se divide em dois atos, o primeiro ato seria do episódio 29 até o regaste do Kio em Second Moon o que depois nos levaria ao arco do fim da guerra de 100 anos; compreendido o ponto, o arco do Kio é um ato leve com o avó que prepara seu neto desde de bem pequeno para enfrentar a guerra (com videogames!?) é dá a ele a arma mais poderosa para que possa lutar nessa guerra (lembrando muito nisso o tom de séries de super robot antigos), visando mais uma vez visando um público mais infantil pelo tom "leve", mas indo nesse arco com um toque tentando agradar aos adultos.

  • Com o melhor da união dos designs antigos e novos (todas as três formas do Age 3 são bonitas e bem "funcionais", apesar do orbital não ter mostrado a que veio na série animada; aliás nem parecia uma forma de alta mobilidade como no jogo você sente isso é que no fim na série serviu para tentar vender mais Gunplas e ser surrado duas vezes), sem contar no ré design de alguns mechas "antigos" (com destaque para o AGE-2 Dark Hound é o AGE-1 Grandsa), os três Gundam são bem criativos e diferentes em seus visuais e no game tem ainda mais formas (algumas até foram aproveitadas no filme).

As várias versões "dos" AGE, algumas exclusivas da série e outras dos jogos.
  • Ainda no design temos no segundo ato temos o bom Gundam Legilis que "uniu" a salada visual toda (visual dos Gundam unido aos dos Vagans, é isso nos deu numa máquina única e diferente de qualquer mecha Gundam e me veem uma coisa na minha cabeça? Porque nunca antes o inimigo fez uma engenharia reversa de um Gundam em outras séries da franquia!? O resultado em tela é lindo!).

  • O modo realista de mostrar a "vida" em uma nave por 70 anos (foi mais ou menos como um navio real é foi bem "realista" ao retratar a vida das pessoas nessa nave pelos arcos e acaba sendo algo natural quase como a nave fosse um personagem como por exemplo Jornada nas Estrelas costuma fazer).

  • Temos o "grande senhor do óbvio" Sedric Abis (como nossa "poke agenda" de estratégias, pois foi geralmente ele que entendia a estratégia do inimigo, "nos" transmitia e ainda se aproveitava dela, como foi no caso da Luna base ), mas apesar desse elemento! Ele acabou servindo como um "substituto" do Woolf, pois aconselhava os pilotos e os guiava bem no campo de batalha, além de várias vezes jogar na cara do Kio a hipocrisia dele no campo de batalha (queria alguém além do Athrun que em Seed tivesse feito o mesmo com o Kira em Seed)..

  • Temos finalmente uma mulher com um pouco de força nesse arco, Fram que já entra testando o seu superior e em tom de desafio! É isso já é um grande feito nessa série e como conduziram a relação dela com o Zeheart foi algo bom é profundo (só o que atrapalha a série é não mostrar o quanto isso ressoa no "chefe dela").

  • Mostraram pela primeira vez o outro lado da guerra mostrando a vida dos Vagans, numa  tentativa de humanizá-los (coisa que só tínhamos o Zeheart antes e foi bem eficiente em humaniza-los).

  • Flit apesar do pouco tempo em tela rouba o show e tem o ápice do seu desenvolvimento neste arco.

  • A volta de Asemu como um pirata espacial, foi bem legal (com uma nave própria ele fez o que pode para ajudar na guerra, mas como vimos na série os Bisidians não eram grandes coisas, fizeram o que puderam de um modo realista pra modificar os rumos).

  • A surpresa do destino do Zeheart (tudo parecia que se encaminhava para uma redenção é no fim acabou sendo algo inesperado e realista).


Foi ruim

  • Temos um Zeheart robótico que só segue ordens (coisa que ele não foi no arco anterior), aliás este personagem foi muito mal desenvolvido no ultimo ato; de soldado que pensava no bem de seus subordinados e de seu povo pra um enlouquecido pelo poder e grandiosidade do dever por causa de um único fato (praticamente por causa de alguém que na série não parecia ter peso pro personagem)

  • Para quem odeia spoilers, bem a própria série tratou de dar spoilers logo na abertura (na abertura do arco do Asemu os spoilers eram subjetivos, mas na terceira abertura? foi uma explosão de spoilers óbvios na cara)

  • O pior desenvolvimento de casal na estória da franquia Gundam entre Kio é Wendy (ela só serviu pra ser babá de três crianças, dizer que o protagonista "tinha alguém esperando" e tudo isso sendo que ela mal falava com ele e ainda por cima pra termos de trama...uma outra garota afetou mais o Kio absurdamente mais em plot do que ela... No fim me pergunto? Pra que ela na série!?).

  • O plano de Ezecalt (o grande líder dos Vagans), foi a coisa mais sem originalidade da franquia, trazer a paz através da seleção genética, garantindo este plano com outros planos mirabolantes que "revelariam os mais fortes" é ainda sobre a garantia de um canhão da morte...(quantas vezes já vimos isso após Turn A? Há sim foram quatro vezes em cinco séries).

  • Natora Einus que podia ser algo novo (o crescimento de um capitão sem merecimento que para o bem ou para o mal abriria o seu caminho nos rankings, e no fim só serviu de marionete do Flit; sério abusaram do recurso da experiência do Flit é a diferença pratica entre ele comandar a nave ou a Natora era nenhuma! Pois tudo ela deixava nas mãos do Flit ou o consultava).

  • Gerald Sprigan foi mais um "item" no fator personagens mal desenvolvidos por causa do roteiro corrido (quando tiveram a chance de mostrar como era a "vida de um traidor", acabou sendo algo extremamente corrido).

  • O ato final foi o momento em que as coisas degringolaram de vez na série, talvez isso more no grande problema da série surgindo no pior momento possível; quer foi ter sido pensada primeiro como um videogame (no videogame você não sente tão corrido, por causa que a história interessa na maior parte, vem em conteúdos rápidos, além de lhe dar uma pausa na ação), mas implementar isso na série? Não era fácil! E no fim das contas foi algo que no "ato" do fim dos 100 anos de guerra cobrou muito caro o seu preço! Tem tantos desastres aqui! Por onde começaria? Pela mudança do Kio pra ser um pacifista como o Kira em que até o roteiro o ajuda!? (Não tem como um piloto sair vivo da luta final da série! mas esta série o Kio ele pode muito bem torar um mecha no meio e remover o piloto ao mesmo tempo...; o pacifismo dele até engulo, mas como facilitam pra ele manter essa moral É algo mais absurdo do que fizeram com o Kira Yamato e não acredito que vou dizer isso mas até o "Jesus Yamato" é menos absurdo que Kio Asuno!) Passando pela Fran que vira a ajudante de vilão genérica que morre é o "vilão" "enlouquece" do nada!? (No filme isso melhora como anoite pro dia, mas aqui!? A mudança é muito repentina em vários fatores), é o EXA-DB meu deus! Depois de tão citado na série ele surge do nada! no fim se luta por "nada"! E muda o campo de batalha por "nada", tudo isso pra virar um dos piores e mais idiotas "chefe final" de uma série Gundam (por onde começo a idiotice disso; se não quiserem spoilers pulem pro filme;Ok! Vamos lá! Inicia pelo fato que Asemu explode a base do banco de dados pra não dar a chance de nenhum dos lados acessar o banco? O que pra situação era uma decisão sabia, mas a série desfaz isso dizendo que EXA-DB é o "guardião" do lugar que surge do nada se funde com uma unidade Vagan e sai destruindo tudo..., daí vem o Kio o corta no meio e consegue com o Age Builder salvar os Vagans com o que exatamente filho!? Só relembrando o EXA-DB foi explodido (relembrando o asteroide onde ficava o banco foi detonado!) e depois cortado e explodido de novo (o mecha guardião) ou vai me dizer que voltaram naquele asteroide e deram um "jeito" de conseguirem a database!? Daí vem a pergunta mais "simples" de todas, Como os Vagans que estavam lá! Porque eles mesmos não fizeram isso!? Se era algo resgatável!?) É pra mim a pior de todas, "da creme de la creme em como do nada só de ver o EXA-DB bagunçando o campo de batalha é um discurso do Kio são o que passam a mudança do Flit de um vingador pra um salvador! (Os elementos estão lá pra serem usados como: Yurin, o que o neto dele viveu em Marte é a amizade de Asemu e Zeheart e como tudo entre eles terminou) Mas...eles preferem fazer isso de maneira repentina e complementada numa narrativa! Pra não ficar feio pras crianças e me inventam um fim pra lá de forçado!? Não tenho nada contra esta resolução! mas de como ela foi maturada! Foi algo vindo do nada e do nada foi jogada goela abaixo dos espectadores é um fim horrendo, absurdo e sem sentido! (ao menos no jogo alonga um pouco esse discurso do Kio e tenta torna-lo em algo um pouco mais detalhado, mas sinceramente não responde nada!).


Gundam Age Memory of Eden (filme)

Foi bom


  • Animação é excelente e tem várias cenas novas, inclusive sequências longas e inteiramente novas que só podem ser vistas neste filme (como mais sequências escolares e a luta final sendo inteiramente sendo refeita inteiramente como exemplos).

  • Aqui eles resolvem modificar o andamento da história é vários outros elementos, mas o que torna este filme resumo num filme bem diferente dos outros são as mudanças na narrativa e de rumos!

  • A série de TV são 100 anos de história na visão de "uma só pessoa", tudo era um conto do Flit ir de vingador à salvador! Este filme pega a história do segundo arco (Asemu) e nos guia pela visão de dois amigos que lutam em lados opostos e tem suas "realidades" testadas pelo conflito! O primeiro filme foca no Asemu e faz isso muito bem é o segundo no Zeherat e tem alguns problemas...

  • Nesta primeira parte temos perfeitamente um "novo panorama" instalado temos as dores do Asemu em se tornar mais independente e não seguir ao pé da letra o que seu pai lhe guiou, também temos o seu sofrimento pra ser um piloto é uma pessoa melhor e se afastando da sombra e comparações com seu pai, além do conflito interno ao ver o "demônio" que seu pai pintou não é a realidade e que este é um embate entre ideias e caminhos pra conseguir estes ideais, aqui AGE se aproxima bem mais das bases da franquia de conflitos humanos que procuram a resolução na empatia e no entendimento mutuo do que a abordagem da série (que foi a do ir descobrindo e "perdoando" o inimigo aos poucos...).

  • Aqui no "primeiro bloco" é um dos melhores momentos do Zeheart pois vai descobrindo várias coisas como seus poderes de X-round (como disse antes o equivalente a newtype com o "pacotão" de pressentimentos, comunicação por telepatia e reflexos apurados) enquanto que ao mesmo tempo descobre que o inimigo não é bem o que os chefes dele pintam e as duvidas e lealdades dele vão se contorcendo e afunilando num conflito interno fantástico de se ver! E quando vira comandante ver o quanto ele inspira as pessoas pelos seus ideais é algo muito bom na parte um do filme (só lembrando que no Japão o filme saiu em duas partes como Age of Eden e Memory of Eden, no ocidente uniram os dois filmes como um só; mas ainda tem na versão home vídeo um "intervalo" entre os dois com direitos à créditos de encarramento! Mas foi lançado como um só filme sob o nome de Memory of Eden).

  • Como desenvolvem a relação da Fran e do Zeheart é sensacional, você nota em nuances o quanto a relação dos dois muda do ódio mutuo pra paixão (você sente isso na animação e nas atuações, no quanto isso começa com Fran odiando o Zeheart por deixar o irmão dela morrer e a culpa dele por ter deixado o irmão dela morrer e pouco a pouco os dois vão se aproximando cada vez mais por compaixão um pelo outro, até a cena do beijo que marca o topo disso e que os dois dali estavam irremediavelmente ligados).

  • A luta final é raivosa, visceral e passa bem as emoções dos envolvidos é a atuação dos dubladores é a cereja no bolo dessa cena refeita!

  • O novo fim faz absurdamente um sentido muito melhor! Apesar do fim ainda ser "abrupto".


Foi mediano


  • O filme te situa bem quanto a posição da guerra no começo é as coisas que te levam ao ponto alto dessa guerra, mas ao mesmo tempo tritura certas coisas sem a menor misericórdia como: Quer saber mais do começo!? Todo o arco do Flit é cortado! Quer saber mais sobre o Kio? Desculpa toda a parte do sequestro é cortada (é cortam toda a parte dele ter se tornado pacifista também e aqui ele mata pilotos inimigos) Quer saber mais da nova tripulação da Diva!? Tudo é cortado! Num resumo fica o básico da trama entre Asemu e Zeheart (e pra mim não é grande perdas, só podiam ter incluído mais cenas dele com a tripulação pra situar o Asemu como Pirata é isso não acontece! O resto é por menores em minha opinião).

  • Outra coisa é a total reciclagem da trilha da série de TV nos filmes, por um lado a trilha de AGE é boa e acaba casando bem, mas por outro não tem nenhuma canção original aqui...então considere reclamação de "veio"...


Foi ruim


  • Desse filme teria basicamente três reclamações é cada uma vai ser um item aqui e vou começar pela pior...a narrativa de culpa do Zeheart alguns podem discordar de mim, mas o que tenho contra e como ela foi conduzida, usar o Desil como fio condutor (a unica coisa que o liga profundamente ao Zeheart!? É o fato de serem irmãos e isso nem é explicado em versão alguma!) E eles tratam a culpa por ter perdido subordinados como uma ida pro "lado negro" que cada perda o torna menos humano e que as responsabilidades passadas a ele o afundam mais e mais na escuridão; pela trama da série!? Não é ruim! Mas como eles teimam em te passar isso narrativamente é algo travado, enrolado e enlouquecedor! Aqui no filme os atos do Zeheart fazem muito mais sentido (inclusive a enlouquecida final!) Mas mesmo assim não deixa o fato todo de ser repentino e anti climático (e quase como se quis-se dar um peso total há algumas mortes que elas não tinham).

  • O filme como a série largaram algumas explicações em outras mídias (como os jogos que eram meio como Pokémon e cada versão tinha uma versão exclusiva dos Age de 1, 2 e 3) mas largar explicações sobre o EXA-DB (aliás totalmente eliminado desse filme graças à deus!) e sobre como Asemu e de como se tornou um pirata (que ficou numa mangá paralelo) foram coisas que prejudicaram toda a franquia!

  • O filme pra condensar a história e suportar a nova narrativa corta muita coisa da série e no filme um (que seria mais como a visão do Asemu da guerra) não se sente tanto, mas no filme dois se sente mais os cortes, em nome de melhorar a narrativa do Zeheart, o filme te deixa com várias questões como: quem é este moleque que me lembra o Asemu!? (aqui o Kio mal aparece e não se tem tempo de desenvolve-lo é só praticamente ligar o Age-3, lutar duas vezes com o "rival" do pai e vamos pra batalha final em outro Gundam...; Flit é quase esquecido...e Asemu "brota" na batalha final, não é ruim melhorarem a pior parte do arco final que é o fim e as ações do Zeheart, mas custava ajeitar uma coisa aqui ou ali pra melhorar a narrativa como um todo!?


Conclusão


Após toda esta longa jornada (aliás a ironia é que o título do episódio final: The End of Long Journey) fica a questão como ver Gundam Age?


Sobre a série tem toda a questão de como foram feitos os arcos, cada um é independente e com uma narrativa bem diferente entre cada um, o arco do Flit é uma visão infantilizada do Gundam original, o arco do Asemu é um arco jovem de ação, o arco do Kio é o arco mais "Pixar" de ser, sendo feito pra família e tanto adultos quanto crianças curtirem é o arco do fim da guerra de 100 anos grita que foi feito pra videogame é tem um senso de escalada e urgência como se fosse uma escalada de fase final de Megaman, com inclusive sala pra enfrentar os bosses (com a diferença que não tem que enfrentar os mesmos "robot master" de novo...é só em sequência...).


Com isso temos uma série esquizofrênica que não sabe pra que público quer se vender, pois cada arco vai de um jeito diferente, esta foi a primeira série do diretor geral Susumo Yamaguchi (apesar de ter um longo currículo ele sentiu a responsabilidade) mas se nota que ele ambicionou demais, pois fez uma imitação de Zeta Gundam e com tantas mortes que elas com o tempo perdem em muito o peso, no fim só me importo com o elenco principal e se o resto morre ou não!? Não faz diferença! É isso em Gundam é algo terrível! Pois ele depende do drama humano pra passar a mensagem anti guerra! E se você não se importa mais com quem vive ou morre é sinal que se falhou feio na série...


Se esta foi uma tentativa de fazer uma série mais pra todos os públicos!? A Sunrise falhou feio pois ela só agrada em pontos específicos, é uma série que divide opiniões (por exemplo tem gente como eu que gosta do Arco do Asemu e do Kio mas não gosta do resto, tem gente que gosta de tudo (isso é bem raro) e tem gente que gosta do arco do Flit e do final.


Esta é uma serie bem divisiva em vários aspectos inclusive se ela foi um dos grandes fracassos de público, critica e audiência? (isso é até discutível, pois as métricas que por exemplo o Tokyosauros apresenta são discutíveis e por exemplo não sabemos qual foi a venda de Gunplas; mas sabemos que teve uma linha inteira de Age de Gunplas cancelada! E nem a audiência no Youtube Asiático; pois a lista foi removida um mês após o fim da série, mas podemos chutar que ela ao menos pagou as contas pois já tivemos duas séries da franquia canceladas por fracas vendas: Gundam X e o Gundam 0079).


Mas ao menos pra mim! Ela é bem fraca no quanto à série de TV eu daria pra cada arco as notas de: Pro arco do Flit daria a nota 6, é uma boa introdução mas tem uns erros graves a puxando pra trás; no arco do Asemu dou a nota 8 de longe pra mim a mais bem inspirada e com temas "novos" tratados na franquia gundam tem um outro detalhe atrapalhando (como ritmo corrido, aliás presente em toda a série), mas pra mim de longe o melhor arco! E pro arco do Kio dou a nota 7, diferente do arco do Flit aqui o clima infantil vai bem e o começo com Flit e Kio é bem divertido e lembra bem o clima de séries antigas, pra mim é o segundo ponto mais divertido até quando Kio é resgatado!? Aí as coisas vão de mal a pior, com o arco do fim da guerra de 100 anos que tem mortes as pencas ao ponto de eu pouco me importar de vez com o que acontece! Decisões estupidas de personagens só pra impulsionar conflito! É apesar do Flit estar aqui em seu melhor momento temos mais uma vez o grande mal desta série com mais uma capitã atropelada por ele (aliás triste sina das mulheres aqui, pois ou são reprodutoras ou morrem como bucha de canhão, aliás essa série abusa da "síndrome da mulher na geladeira" e inclua nisso se for capitã de nave!? O Flit rapidinho vai te "revogar" o comando e você vai virar secundária na sua própria nave...)e daria a este arco na nota 3.


O que olha o engraçado se juntar minhas notas dá bem o que penso! (6+8+7+3=24/4=6) É uma série bem mediana!? uma nota 6 é bem o que ela merece no total, o método de se ver deixo pra você pensar bem após "pesar" cada arco, mas se gostou do arco do Asemu ainda tem o filme...a considerar.


Já o filme Memory of Eden tenta trabalhar as melhores partes da série e faze-las brilhar pois tenta dar mais importância a Rosemary e a aparte escolar, trabalha melhor as motivações de Asemu e Zeheart e tenta ser mais modesto e trabalhar com menos elementos pra ver se a narrativas funciona melhor e certas coisas funcionam absurdamente melhor (só de tirar o EXA-DB da trama já me deixa bem menos confuso com o fim do filme! Mas trabalhar com menos personagens foi muito bom pelo fator de me fazer me importar com os personagens novamente e isso em especial no fim, se paga bem pois você "vê e sente" a fúria do Zeheart é o o quanto ele parte disposto a não perder mais nada! Pois ao mesmo tempo ele acabou de perder tudo o que tinha!


Pra esse filme dou a nota 7,5 é o ponto em que a série brilha mais, pelo motivo de se aproveitar do filme resumo pra reformular e recontar a história de Gundam Age é pra mim é disparado a melhor chance que pode dar a Gundam Age pois tem os principais pontos de Age colocados todos juntos é os faz brilhar! Além do fato que é o meio mais barato de se adquirir Gundam AGE hoje em dia!


Esta é uma série bem, mas bem difícil de se recomendar pois a série de TV consegue ser bem única em seus arcos, mas felizmente a forma como é comercializada os seus arcos é boa se gosta dos arcos do começo? compre o volume 1, se gota dos arcos do fim? Compra somente o volume 2, se achou só o arco do Asemu interessante ou achou o Zeheart tão interessante? Então compre o filme Memory of Eden (pra mim a melhor opção é une dois fatores em seu favor é um filme resumo que modifica a trama e tem muitas cenas novas! E ainda tem o "grande" fator de ser metade do preço de qualquer volume desta série! Um grande incentivador de comprar algo legalizado) e se for um dos raros que achou tudo aqui interessante até o filme!? Vai fundo amigo! Pega tudo!


Não é o melhor ponto pra se iniciar na franquia, mas vai ser algo que muito do gosto pessoal que vai influenciar na decisão de se ver ou não esta série e eu espero ter ajudado vocês na decisão! (este é um ponto diferente e "original" o suficiente pra se conhecer, mas ao mesmo tempo tão diferente e "distante" das outras séries da franquia que leva a pergunta: será que vale começar aqui!? Pra mim é um não, mas ver depois de outras séries da franquia? Pode se pensar em ver o filme resumo); aliás algumas curiosidades, a série chegou a ser dublada em Hong Kong em inglês (aliás numa dublagem que os fãs americanos zoam até hoje) é o filme Memory of Eden chegou também a ser dublado (aliás inclusive se for ver os créditos americanos tem citações aos atores que dublaram o filme!), mas nunca essa dublagem chegou a ver a luz do dia e nunca até hoje a Sunrise ou a Nozomi/Rightstuff explicaram os motivos disso..

Disponível só em home vídeo (internacional)

Vagans afirmam: Yes! Nós temos Gundam também!
Algo bem raro! Três gerações de Gundam e pilotos lutando lado a lado!

Trailer

Links Úteis

Site oficial de Gundam Age (em japonês)

Wiki de Gundam Age com guia de episódios (em inglês)

Gundam Age na emissora MBS (em japonês)

Mobile Suit Gundam Age no Wikipédia (em inglês)

Gundam Age no Anime News Network com a lista do elenco (em inglês)

52 visualizações

©2019 por brasilanimecafe. Orgulhosamente criado com Wix.com